,

Confiar somente na memória para gravar senhas pode comprometer a segurança

senhas-insight

O número de usuários na internet sobe cada dia mais, com isso, as senhas também. Confiar somente na memória para decorar seus acessos pode deixar você na mão, levando em consideração que muitas vezes ela é falha e que, para cada site o ideal é criar uma senha “forte” e diferente.

Existem alguns fatores que ajudam para que essa falha ocorra. É importante levar em consideração quantas senhas precisam ser memorizadas, o que não são poucas, não é mesmo? Facebook,
Instagram, Gmail, Twitter, Netflix, internet banking, sites de compras, e por aí vai.

Foi feito um levantamento pela empresa Dashlane no último ano – com cerca de 20 mil usuários – em média cada conta de e-mail possui 92 registros. Se continuar nesse mesmo ritmo, em 2020 cada usuário terá 207 contas. Os dados são impressionantes!

Com tantas contas assim, é difícil memorizar cada senha criada. Por isso, a melhor solução é utilizar um gerenciador de senhas confiável e multiplataforma, ele pode ajudar a armazenar combinações e tornar os acessos mais seguros sem precisar revelar as senhas na tela. 

As gigantes digitais já oferecem também o recurso de autenticação em 2 fatores, que consiste em, além da senha, você digite um código que será enviado para um celular pré-cadastrado cada vez que for acessar, isso garante sua privacidade no caso da senha ser descoberta de alguma forma.
,

Sequestro Digital, você já ouvir falar de “Ransomware”?

sequestro-digital-blog

 

Esse tipo de malware (software malicioso) criptografa (embaralha) todo o conteúdo do seu servidor ou estação de trabalho, sem removê-lo. Seus dados ficam totalmente inacessíveis para você, embora ainda estejam lá, porém codificados.

De legível mesmo, só fica o recado para que a vítima entre em contato com o criminoso para acertar o valor do resgate (normalmente em bitcoin – moeda digital não rastreável) para obter a senha que descriptografa as informações. É um verdadeiro sequestro digital.

Muitos pensarão: “Eu tenho backup! Estou livre desse perigo”. Infelizmente não é tão simples. Será que você tem um backup eficiente? Ele está atualizado desde quando? Será que o seu backup não foi criptografado também? Ou será que o servidor já fez backup novamente e o conteúdo do backup é o mesmo que está criptografado no servidor? Até mesmo backups em nuvem podem ser atingidos!

Pensando nisso a Insight desenvolveu um produto que chamamos IbackupX que prevê estes e outros pontos falhos nas rotinas de backup comuns, para assegurar que você tenha sempre um backup válido para minimizar o prejuízo causado por esse tipo de crime digital.

Entre em contato conosco e elimine o “friozinho na barriga”.